FB_init

Tuesday, May 26, 2009

Cartas a Um Teólogo - parte 1

Meu querido teólogo (a quem não conheço),
O senhor poderia por favor falar em linguagem corriqueira também? Eu não agüento mais encheção de lingüiça. Não estou falando de pôr água no feijão ou de subestimar o ouvinte, "dumbing down" a mensagem. Acredito firmemente que é possível comunicar com linguagem acessível sem comprometer o conteúdo. Às vezes começo a desconfiar que apesar da fala bonita não há conteúdo, por mais que me esforce vez após vez a compreender o que é dito. (Já falei que eu não agüento mais encheção de lingüiça? )

Do seu amigo,
K-fé
(um tanto sem paciência hoje)

2 comments:

Natanael Disla said...

¡Iniciales! Como decimos en Dominicana. Sí, en ocasiones hay que volver a leer el párrafo leído porque se meten en unos bosques muy densos cubiertos de baobabs ;)

Gustavo K-fé said...

Obrigado pelo comentário, Natanael. Sim, às vezes alguns teólogos andam em círculos neste bosque. Outros teólogos nos levam a águas tranqüilas. Outros teólogos se preparam com bússola, cantil, botas, tendas, GPS, mas nunca saem para ir ao bosque. Outros contam histórias mirabolantes e fantásticas, relatando ter estado em bosques lindos dos quais ninguém nunca ouviu falar. Abrazos,